quinta-feira, 30 de setembro de 2010

CULTURA POLÍCITA MEDÍOCRE



Caramba.. Como é possível???


Isso é possível porque a maior parte da população brasileira ainda padece de uma mediocridade cultural herdada de nosso
passado político coronelista e populista.

Isso tem sua causa na permanência da falta de informação que essa população possui ao não compreender plenamente
sobre como utilizar as oportunidades que a democracia lhe dá.

E como num jogo de mão dupla, as próprias pessoas que poderiam mudar isso mais rapidamente, os políticos, não
fazem políticas e leis públicas para melhorar o nível educacional da população.


Mas eles tem seus motivos, se essa mudança acontecer, esses mesmos políticos irão perder seu poder, e nós sabemos que
quem se beneficia dessa ignorância não quer essa mudança intelectual das pessoas.


PRECISAMOS ELEGER MELHOR NOSSOS REPRESENTANTES.

NA DEMOCRACIA, SE HÁ UM IDIOTA OU UM CORRUPTO NO PODER
É PORQUE ELE ESTÁ MUITO BEM REPRESENTADO.

EDUCAÇÃO
é uma crucial maneira de se mudar ou fazer permanecer uma cultura,
ela é por toda a vida,
não acontece só em instituições formais como escolas e universidades
acontece de diversas formas
até com a leitura de e-mails como esse;


FAVOR REPASSAR

Kelly Triacca

terça-feira, 9 de março de 2010

CEMITÉRIO DO FUTURO: SUGESTÃO PARA UM MUNDO MAIS SUSTENTÁVEL

A industrialização e a globalização desenfreadas representam uma ameaça real de uniformização e homogeneização culturais, ou seja, de imposição de modelos de consumo por parte de centros criadores cada vez mais fortes a centros consumidores cada vez mais numerosos. Se essa tendência continuar, o planeta entrará em colapso ambiental, pois é impossível que haja equilíbrio ambiental com todos os seres humanos consumindo o mesmo tipo de alimento.
Para uma sociedade mais sustentável é preciso que a humanidade tenha uma visão de si que a integre com o meio ambiente, em conexão com a natureza, como ser biológico, assim como os outros seres, deixando de lado aquela visão biocêntrica que a colocava como única portadora de alma e pensante, e portanto, superior aos outros seres vivos.
Como sugestão exemplificativa e prática, uma das formas de isso acontecer será na remodelação da forma como enterramos nossos entes queridos. Até o momento em que a população mundial não alcançasse níveis assustadores como hoje, poderíamos nos dar o luxo de enterrar nossos mortos em meio a concretos, em caixões de madeira ou cremar seus corpos e não considerá-los como massa energética útil para o equilíbrio ambiental.
Contudo, em tempos de crise ambiental, crise enérgica, aquecimento global, de extrema necessidade de preservação de nossas florestas para a manuntação da qualidade do ar e de uma temperatura tolerável para a nossa sobrevivência, é crucial que passemos a rever essa prática fúnebre.
Seguindo em parte os modelos de alguns cemitérios onde não há concretos, em que os mortos ficam em um lindo campo de gramado, poderia ser utilizado um cemitério-floresta, onde cada corpo fosse enterrado ao pé de uma muda de árvore nativa de cada região. Além disso, o cemitério poderia ter formato circular, com praças no centro para que os parentes se encontrem nesse local e dividam seus sentimentos.
Dessa forma, considerando a capacidade enérgica que cada corpo humano tem - após a decomposição os restos mortais viram adubo - e que boa parte da população mundial de mais de 7 bilhões de pessoas comece a aderir a essa prática, teremos uma considerável compensação energética para as florestas, que obviamente serão mais conservadas por conterem em si o elemento sentimental de ali repousar um ente querido.

Seria o cemitério do futuro.

Com isso evitaremos também a quantidade enorme de calor e fumaça que é lançada no meio ambiente para a cremação de corpos. É claro que isso faria com que a cultura de alguns povos irá ser alterada, mas isso faz parte de uma necessidade vital para todos, e conseqüentemente da nossa evolução comportamental com relação ao meio ambiente.

Carmem Nascimento, em seu blog, fala que em "alguns países têm desenvolvido soluções para essa questão. Na Austrália, por exemplo, foi criado um cemitério dentro de uma reserva natural. Para que os parentes não se percam no meio do Bushland Cemetery, que faz parte do Lismore Memorial Gardens, a localização de cada tumba será registrada com latitude e longitude. Assim, com um GPS será possível encontrar o parente sepultado. Além disso, o cemitério recomenda que os enterros sejam "verdes" ou "naturais", ou seja, que não sejam usados caixões, já que eles são considerados resíduos desnecessários. Nesse caso, o corpo é envolvido em uma mortalha de algodão biodegradável, para que fique em contato próximo com a terra e sua decomposição seja mais rápida e natural. Caso a pessoa prefira um caixão, o cemitério utiliza peças de madeira reciclada ou pinho de reflorestamento. Não se faz cremação no local, porque esse processo libera gases causadores do efeito estufa na atmosfera." Fonte: http://64.233.163.132/search?q=cache:NPvgBuXWnuYJ:sustentavelmundonovo.blogspot.com/2009/08/cemiterio-ecologico.html+cemit%C3%A9rio+ecol%C3%B3gico&cd=5&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

Para saber mais:

http://64.233.163.132/search?q=cache:uanQHBC7VAIJ:planetasustentavel.abril.com.br/planetinha/fique-ligado/conteudo_planetinha_468991.shtml+cemit%C3%A9rio+ecol%C3%B3gico&cd=10&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br


http://www.youtube.com/watch?v=atCr0dhg2J8

--
Kelly Triacca
O poder da força vital guia o meu ser para a evolução.